27 Jun TOM de voz, o que vem a ser isso?

A voz, como componente não verbal da comunicação apresenta diversas características que englobam várias dimensões: orgânica, psicológica e social. Ela é similar às nossas impressões digitais, ou seja, é única, influenciável e influenciadora, de acordo com uma série de variantes.

Por meio da voz podemos inferir a idade, a personalidade, a origem, o estado de humor e de saúde e, muitos outros aspectos.

O que as pessoas normalmente chamam de TOM de voz, termo musical que significa o intervalo utilizado na escala diatônica, a relação entre dois sons quanto à sua frequência ou a altura de um som, não é um termo científico para denominar o comportamento vocal que é complexo.

Falar em TOM de voz é reduzir a voz à altura tonal ou frequência ou pitch e esse é apenas um dos parâmetros que podemos mensurar.

Mas então o que é TOM de voz?

De forma leiga as pessoas querem dizer uma voz com “volume” (intensidade forte) ou “altura”   (frequência) alterada ou outras impressões detectadas de como a pessoa se expressa. Por isso a voz é não verbal.

De forma científica podemos dizer que TOM de voz corresponde aos recursos verbais e vocais que são mensurados de duas formas: perceptivo-auditiva por meio do ouvido treinado de um fonoaudiólogo ou terapeuta da fala que utiliza protocolos padronizados cientificamente na sua prática clínica ou esse mesmo profissional de forma complementar pode mensurar alguns parâmetros acústicos através de softwares que os medem numericamente, comprovando como a voz se comporta.

Assim sendo, como parâmetros perceptivo-auditivos temos: qualidade vocal, tipo de voz, coordenação pneumofonoarticulatória, pitchloudness, ressonância vocal, ataque vocal, projeção vocal, articulação, velocidade e ritmo de fala, pausas, ênfases e inflexões. Dentre outros dependendo do sujeito e das suas necessidades, profissão, queixa, etc.

Também temos ainda a possibilidade de visualmente verificar com a análise acústica: frequência fundamental, extensão máxima e dinâmica, intensidade media, formantes, harmônicos, co-articulação, taxa de elocução, TMF, VOT, SPI, HNR, SNR, jittershimmer, entre outros, dependendo de uma série de fatores e o que queremos investigar e comprovar.

Logo de maneira leiga, o que chamam de TOM de voz é tudo isso e mais coisas, mas as pessoas não sabem especificar o que percebem como menos ou mais agradável numa voz, porque só um especialista como um fonoaudiólogo ou terapeuta da fala, habilitados para avaliar, diagnosticar, propor melhorias ou reabilitação está capacitado para o fazer e afirmar como se encontra  uma determinada voz sob o ponto de vista físico, social e psicológico.

A voz é passível de leitura científica e de melhorias, mas de forma contextualizada, considerando fatores sistêmicos, a anamnese e outras avaliações do sujeito. Mas tudo isso deve ser realizado por um profissional habilitado, pois só assim é realizado de forma ética, científica, segura, correta e sem “achismos”.

O que a sua voz mostra sobre si?

Tags: